Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mia Amaral Gomes

"El dolce far niente"

Mia Amaral Gomes

"El dolce far niente"

Ter | 11.02.20

Dr. Amaral Gomes 👴🏻

Mia

IMG_1347.JPG

 

Nunca escrevi sobre ti publicamente e não me perguntes o porquê. Não penses nunca que foi por não gostar de ti, por não te amar, ou por não me lembrar de ti. 

Nunca escrevi sobre ti, talvez porque foi a primeira vez que senti que perder alguém trazia uma dor muito grande, uma angustia enorme. Nunca escrevi sobre ti, porque embora já se tenham passado mais de dez anos eu nunca soube como lidar com a tua ausência. 

Não eramos o melhores amigos, não me telefonavas todos os dias, não me vias todos os dias, mas sei que me amaste todos os dias. Não fui nunca capaz de te dizer o quanto gostava desses olhos claros a olharem para mim com um ar de repreensão... Sempre fomos muitos netos e sei que isso era muito barulho para a tua cabeça, mas ainda assim, continuaste a amar os gritos dados em volta da mesa da sala de jantar. 

Não me mostraste as vinhas, como eu queria que me mostrasses, de forma adulta, mas eu era uma criança e quando tu me deixaste aqui, embora eu não fosse ainda uma adulta eu estava pronta para que me agarrasses pela mão e me ensinasses tudo o que a tua vida te ensinou. 

Para os demais tu és o Dr. Amaral Gomes, o neurocirurgião de renome, conhecido pela sua tamanha inteligência e por todas as suas conquistas, mas para mim és o meu avô. 

Às vezes perguntam-me o que te sou, como estás e eu fico triste porque queria saber como estás agora e eu não sei e secalhar nunca mais vou saber. Mas ainda assim, sei que ensinaste muitas pessoas, sei que cuidaste muitas pessoas. Sei que amaste os teus filhos de forma igual e que muitas coisas seriam diferentes se hoje ainda aqui estivesses... Mas a saudade vai sendo culmatada quando olho para o teu filho, o meu pai está cada vez mais parecido contigo, e aqui entre nós que ninguém nos ouve, estou ansiosa para o ver velhinho, se calhar até me comovo e penso que és tu. 

Ainda sonho contigo muitas vezes, fiz trabalhos sobre ti na faculdade e falei de ti sempre com o coração a rebentar de orgulho. Pudesse eu algum dia, ser metade do que tu foste. 

Quero que as pessoas olhem para mim e reconhecam em mim o meu avô, não que sejas comparavel a alguém mas eu gostava que olhassem para mim e soubessem sempre de onde eu eu vim e para onde eu quero ir. 

Sei bem que tinhas um feitiozinho daqueles... mas a minha mãe diz muitas vezes que eu sou mesmo Amaral Gomes e cá entre nós isso também me faz ser feliz. Não estás cá e não acompanhaste a minha evolução, mas olha avô, tenho um piercing, várias tatuagens e queria saber o que tu acharias disto tudo, não sei porquê, mas acho que não me ias ralhar. 

Por esta vida terrena temos muitas saudades tuas, eu, os manos, os primos, os teus filhos, na verdade temos todos muitas saudades tuas, mas saudade é uma coisa que se sente para sempre não é?

Onde quer que estejas olha por todos e por mim também, podes aparecer nos meus sonhos para me dar colo.

Amo-te muito mais do que algum dia eu poderia imaginar.